Argumentos de Merda - parte 2 - O Homem Vazio


De vez em quando temos que argumentar, seja para convencer alguém a fazer algo que precisamos ou para competir por um resultado. Até aqui eu vinha falando sobre o preço de construir uma opinião sólida, agora quero mostrar - em uma série de três artigos - que é importante também saber como não usar argumentos ruins e acabar com uma discussão que terminaria em um bom resultado. 

Existem três tipos de argumentos ruins, ou falácias lógicas: O homem de Palha, o Homem Vazio e o Homem de Ferro.

O Homem Vazio

O argumento do homem vazio é parecido com o do homem de palha. A diferença é que o argumento de merda ainda é atribuído à um grupo que não existe. Eu fabrico um argumento fácil de refutar e ainda digo que é o argumento de um grupo com o qual eu não concordo. Se argumentar contra um homem de palha é fácil, argumentar contra um oponente que sequer existe é mais fácil ainda! Quando eu uso argumentos do homem vazio prefiro usar uma linguagem vaga, pouco específica, sem dar nenhuma fonte ou dizer exatamente quem meu oponente é.

O argumento do homem vazio entra no debate porque eles são uma maneira preguiçosa de fazer um argumento forte sem o risco de ser rebatido ou ter minha linha de raciocínio questionada. Perceba a malandragem aqui. Quando eu apelo para o homem vazio eu respondo à críticas que ninguém no lado oposto fez. A função é distrair das verdadeiras críticas feitas pela oposição, é uma fábrica de oposição vazia.

Um exemplo de argumento do homem vazio seria dizer que as pessoas que defendem os direitos animais querem que humanos e não-humanos tenham os mesmos direitos, o que quer dizer que os cachorros deveriam usar roupas ou seriam presos por atentado ao pudor. Porém, nunca ninguém disse que todas as leis aplicadas à humanos deveriam ser aplicadas aos cachorros. 

Por fim, Noam Chomsky disse que: "a maneira esperta de manter as pessoas passivas e obedientes é limitar muito o espectro de opinião aceitável, mas permitir que existam debates calorosos nesse espectro."


Deixe um comentário