Você quer atenção ou solução?


Ja afastei muita gente da minha vida.
E pretendo afastar muito mais.
Simplesmente porque acredito que devo me cercar de pessoas que sejam pessoas de ação.

Afastei muita gente porque toda a vez que tenho um problema, corro em direção à solucioná-lo. E eu pensei, por muitos anos, que todo mundo era assim.

Mas não.

O que acontece com as pessoas que afastei é que algumas pessoas criam problemas não com o objetivo de crescer, mas de obter atenção. E quando elas conversam comigo sobre seus problemas eu automaticamente ligo minha máquina de solucionar.

Quer ver alguém irritado? Ajude uma pessoa que não pediu sua ajuda. 

Levou muito tempo para eu conseguir diferenciar uma pessoa querendo atenção, reclamando da vida, de uma com um problema real e que merecia solução.

A diferença aqui é simples: a pessoa que está reclamando termina com um suspiro. A pessoa que está crescendo termina com uma pergunta.

Você quer ser feliz ou estar certo?

Já me peguei reclamando por nada. E me vi nessa situação de estar precisando de carinho, atenção, chamego, um cheiro, sexo, empatia ou simplesmente uma relação humana básica e, ao não obter, me virar contra um problema insolúvel ou mesmo inexistente.

Deus, o presidente, a economia, minha família, a sociedade, o capitalismo, os comunistas (eles estão lá fora, esperando pra te pegar), ou bem - vá para o YouTube e escolha sua teoria da conspiração favorita. 

Muitas vezes enchi minha cabeça por meses com essa insensatez e meses escorreram entre meus dedos. Encontrei meus pares, pessoas que concordavam com minhas reclamações, e juntos passamos horas de desespero sem perceber que talvez um beijo na boca resolvesse toda aquela angústia.

Com o algoritmo das redes sociais esse lixo interno ganhou ainda mais tração, com comunidades inteiras dedicadas à simplesmente reclamar da vida - e um ou outro esperto faturando muito com isso.

Como eu saio dessa?

Eu me lembro do dia que percebi que reclamava por atenção. Estava lendo um livro de auto ajuda e a primeira coisa que ele dizia era isso: se você é uma vítima, nunca vai realizar nada.

E eu era uma vítima. Não tinha recebido uma boa educação em quase nenhum sentido (como todos nós), vivia em um sistema opressor (como todos nós), a política era corrupta (para todos nós) e a lista seguia ao infinito, explicando minha falta de sucesso (só a minha).

Doeu. Fisicamente doeu. Chorei por dias a fio, magoado com o que fiz a mim mesmo e todo o tempo perdido.

Bom, eu precisava quebrar aquele ciclo, e o que eu queria era atenção. Saí em busca dessa atenção e realmente é mais fácil de obter se não reclamo da vida. As únicas pessoas que dão atenção a quem está reclamando são as que estão esperando sua vez de reclamar.

Para não ser vago com o "saí em busca de atenção," o que eu fiz foi estudar as artes venusianas, estudar a engenharia social, buscar saber como ser uma pessoa que, mesmo super introvertida (não acredita, né?), consegue contato social de qualidade e a atenção necessária.

Depois de algum tempo estudando, fui à campo e, ao receber atenção, percebi que precisava de muito menos atenção do que pensei que precisava. Logo outras lacunas se abriram na minha alma, que fui preenchendo com outros conhecimentos (veja as lives de Capitalismo e Capital Erótico, a lista completa está lá) e, finalmente, com um vazio que nada preenche e que aprendi a conviver numa boa.

Quero agir, mas não sei por onde começar

Google. 

Ajuda mais se souber inglês, recomendo muito, o melhor material em qualquer área estará em inglês, se eu começasse hoje, seria por aí.

Vá para o Google e fique criativo. Como você pode buscar por Arte Venusiana se nunca ouviu falar disso? 

Comecei com termos básicos. Como obter atenção? Como conquistar pessoas? Como seduzir pessoas? (Pessoas de ação terminam com perguntas!)

De início, se encontra muito lixo. Leva um tempo até diferenciar cartas de vendas de artigos genuínos. Perde-se muito tempo aí, mas vale a pena. Não compre a primeira coisa que lhe empurrarem, talvez até nem compre nada, mas existem sim bons produtos para ajudar.

Depois de encontrar algum material prático. Vá a campo. É aqui, e apenas aqui, que vejo separarem as pessoas em melhores e piores. Não há nada impedindo de agir e se você encontrar algo você merece o que está vivendo, mesmo que nunca admita que é 100% sua responsabilidade.

Para ter uma ideia, nessa fase da minha vida eu estava morando em um quartinho da casa da minha mãe, sendo humilhado diariamente, com a Fada e as kids. Tinha terminado uma turnê que foi um desastre financeiro e não tinha nenhuma perspectiva de vida pela frente.

Um ano depois estava casado com duas mulheres e morando em uma mansão, planejando a viagem que estou vivendo agora.

Devo ajudar quem reclama?

Nunca. Nunca mesmo. Não teve uma única vez na minha vida que tentei ajudar alguém que reclamava que não me dei mal. Só consegui inimizades.

Tenho por regra só ajudar quem pede ajuda. Pode parecer cruel quando sua vizinha está apanhando do marido pela terceira vez naquela semana, mas experimente ajudar: vai apanhar junto, ela vai defender ele ou ele vai ir preso e um mês depois ela vai estar lá apanhando de novo.

Lembre-se que ajudar é se meter na vida da pessoa. É como entrar na casa dela e deitar na cama dela. É abrir a geladeira e pegar a cerveja dela. Então, fico muito atento se fui mesmo convidado à isso.

A pessoa que pede ajuda está em um desses dois casos: ou ela tomou uma decisão ruim e se meteu em uma encrenca da qual ela quer sair rapidamente ou ela criou um problema que, se resolvido, vai ajudar ela a crescer em alguma área da vida.

E aí ela pede ajuda, porque nesses casos a ajuda é um presente para ambos, que saem maiores, mais felizes e gratos da situação.

Por fim, aprendi uma tríade na hora de ajudar mesmo quem me pede ajuda:

- Tenho tempo disponível para ajudar? Se eu me comprometer e não ajudar, posso prejudicar ainda mais a pessoa.
- Tenho energia para ajudar? Tenho os recursos necessários, as ferramentas, o conhecimento para resolver a questão ou posso piorar ainda mais a situação?
- Tenho disposição em ajudar? Estou com a minha vida em dia? Me importo com o crescimento da pessoa que estou ajudando? Ou estou apenas sendo condescendente?

A vida é um prisma. Tem lados lindos e lados podres. O prisma está na minha mão e eu giro ele para enxergar como eu quiser.

 

 

 

 

 

 


6 comentários


  • Gislanne

    “Me vitimizar!” Acredito ser o meu maior medo. Hoje tbm sei reconhecer quando alguém tá querendo atenção demais. Tapa na cara este texto! Pra mim viver é um constante aprimoramento e aprendizado, por mais ruins que as experiências possam ser, elas sempre nos trazem aprendizado basta estarmos abertos para aprender e entender qual a mensagem e o quão melhores possamos nos tornar com ela!


  • Sérgio Cardoso

    Nunca gostei de gente fraca. Diferente de gente delicada.
    Normalmente os fracos são vitimizadores (há excessões), algozes e extremamente manipuladores. Influencia (dores) emocionais.
    Gente delicada é leve e poética.
    Belo texto que transborda verdades.
    Avante.


  • Sérgio Cardoso

    Nunca gostei de gente fraca. Diferente de gente delicada.
    Normalmente os fracos são vitimizadores (há excessões), algozes e extremamente manipuladores. Influencia (dores) emocionais.
    Gente delicada é leve e poética.
    Belo texto que transborda verdades.
    Avante.


  • Mari

    Eu me lembro do dia que percebi que reclamava por atenção,muito bom esse bolg realmente nos passa a todos,eu ainda estou na aprendizagem,más o importante é Sempre escutar, seleccionar o melhor para seu crescimento e nunca estacionar e ficar parado no mesmo pensamiento.


  • GIza

    Top. Top… já me peguei nesta situação algumas vezes… mas estou aprendendo…


Deixe um comentário